Sem categoria

Sobre morar junto…

Sobre morar junto…

Oi pessoal. Hoje fiquei meio encabulada com o Google Analytics e seriamente chateada. Eles mudaram alguma coisa e perdi todos os dados do blog até agora e tive que começar do zero.

Imagem: Pinterest

Enfim, fiquei super contente com os últimos comentários e um deles (da Tatiana do blog Gramatifiquei) me deixou bem inspirada a comentar sobre o morar junto, ou ser casada.

Eu e meu namorado não casamos no papel. Nem noivamos. A gente mora juntos. Posso dizer que no início não foi nada fácil essa dinâmica. Estávamos namorando desde 2009, e ele sabia que uma hora eu ia sair do interior. Em 2012 ele conseguiu um bom emprego em Itajaí e veio morar no apê da família dele aqui em Balneário Camboriú. Conversamos, discutimos, entramos num acordo e vim pra cá. Foi bem difícil no começo, pois ele nunca foi daqueles que queria casar. Eu filha única cheinha de manias. A gente tem um amor e um sentimento de companheirismo muito grande um pelo outro, mas apareceram muitas dificuldades nos primeiros meses. Eu custei a conseguir um emprego… Enfim. A gente vai consertando os erros, se divertindo com os acertos e aprendendo muito juntos.

Dividimos o espaço, as contas, os serviços (posso falar um pouco mais disso em outro post). Fomos se completando: ele é desorganizado, eu sou mais de organizar. Nos apoiamos. Brigamos. Ficamos de bem. Ano passado assinamos nosso contrato de união estável. Criamos o Dominic, nosso cachorrinho. Temos sonhos, contas e cada dia que passa nos tornamos um pouco mais responsáveis. A cada dia que passa a gente cresce um pouquinho sabe e aprende a conviver.

Ao morar junto você passa a ver o outro lado da pessoa amada. Durante o namoro geralmente vemos só o lado bom. Ao morar junto você conhece as manias mais impertinentes, os defeitos mais esquisitos e deve aprender que com amor você releva ou ajuda a melhorar certos pontos. Ninguém entra num relacionamento com perfeição. Cada ser traz consigo sua bagagem cultural, emocional e educacional. Além de toda uma personalidade (e aqui temos muitas!).

Com o Robson aprendi a ser mais piadista, não levar tantas coisas a sério. Ele aprendeu a ser menos explosivo e a ter um pouco mais de paciência com as coisas. Hoje somos bons companheiros: temos papo pra conversar, temos grande afinidade para fazer coisas juntos, respeitamos o espaço de cada um para que faça suas coisas individualmente. Temos confiança e amor um pelo outro.

5 diquinhas:

  • Seja paciente! Ouça e seja ouvido
  • Divida o seu dia, os afazeres e responsabilidades.
  • Tenham sua individualidade, seus momentos sozinhos ou com amigos/colegas de trabalho.
  • Ame e diga isso sempre que puder!
  • Acima de tudo seja sempre o melhor amigo do seu amor… Assim sempre haverá afinidade entre vocês mesmo que a intimidade esfrie com a rotina. Assim sempre se recicla o amor e o companheirismo!

Você vai casar? Vai morar junto? Vai com fé! Vai disposto a abrir mão, a forçar o outro a abrir mão, a aprender e ensinar. É um momento muito difícil, mas no fim do dia, quando se divide uma cerveja assistindo Simpsons e um ri da piada um do outro, o esforço vale super a pena.

Leitores!! Antes de me despedir faço um jabazinho… Curtam a Fan Page aqui na barra lateral! Assim vocês ficam por dentro das novas postagens e sempre nos visitaremos!  

XoXo,
Grazy.

No Comment

  • Reply

    Ana Paula Borges

    20 de janeiro de 2015

    Eu, antes de casar no papel, fui morar junto com o meu amor com apenas 10 meses de namoro. Tinhamos certeza do que queríamos. Quando eu estava gravida de 8 meses nos casamos no papel, para confirmar o que já estava dando certo. É um grande desafio morar junto, mas vale muito a pena quando um ama o outro. bjsss

  • Reply

    Luana Melo

    20 de janeiro de 2015

    Morar junto não é tão simples, mas se cada um souber lidar com a situação e houver companheirismo, é uma delicia, acaba superando todas as dificuldades e aproveitando esse tempo a mais juntos. Felicidade pra vocês =)

    Beijos
    http://www.monteolook.com

  • Reply

    Michelli B.E.

    21 de janeiro de 2015

    Namorei por 9 anos e ai eu e o namorado juntamos as escovas de dente também. Não casamos no papel nem nada, mas há uns 2 anos fizemos o contrato de união estável. Ano passado ficamos noivos e UM DIA vamos nos casar hahaha enquanto isso tô fazendo test drive nele rsss

    Já moramos há quase 3 anos juntos e morar junto é isso tudo que você falou mesmo. Você tem que aprender a compartilhar tudo =D

  • Reply

    Camila Faria

    21 de janeiro de 2015

    Grazy, eu moro sozinha desde os 18 anos e já há alguns anos juntei os "trapinhos" com o namorado também. Acabamos de comprar um apto juntos, depois de vários anos juntos. No começo é sempre mais difícil, mas com amor, respeito e companheirismo tudo dá certo! 🙂

  • Reply

    Grazielli Bernardino

    25 de janeiro de 2015

    Vale super a pena sim Ana! Por mais altos e baixos que possamos passar sempre nos mantemos unidos!

    XoXo.

  • Reply

    Grazielli Bernardino

    25 de janeiro de 2015

    Tudo acaba sendo uma questão de tempo né Luana. Tempo pra consertar e aproveitar as situações, kkkk.

    XoXo.

  • Reply

    Grazielli Bernardino

    25 de janeiro de 2015

    Ainda não noivei Michelli, e acredito que nem role (ele não liga nada pra isso, kkkk). Mas somos felizes e é isso que importa!! Felicidades pra vocês também!!!

    XoXo.

  • Reply

    Grazielli Bernardino

    25 de janeiro de 2015

    Camila, desejo sorte a vocês!! E realmente, o tempo ajuda e muito a superar situações… depois só alegria!

    XoXo.

Leave a Reply


CAPTCHA Image
Reload Image

Sobre Mim

Sobre Mim

Grazy, 30. Casada com o Robson. Mamãezinha do Shih Tzu Dominic.

Categorias

Últimos Posts

Colares masculinos e como usar?

12 de fevereiro de 2019

Brincos nada básicos

9 de fevereiro de 2019

Anuncie

Anuncie

Posts Populares

Blog Day!

31 de agosto de 2017

Amigo Caneca: Old Mail

19 de outubro de 2015

Pin-me

Leia também

Ferramentas dos Sonhos

17 de agosto de 2017

Um ano sem salão…

11 de dezembro de 2015

Time Lapse #1 e Resumão do BEDA

6 de agosto de 2017