Meu maior ato de coragem...

... foi aceitar todos os meus problemas, encará-los de frente e pedir ajuda quando eu não conseguia sozinha.

Pra uma pessoa deprimida é muito difícil reconhecer os problemas que levaram ela a esse quadro. Pense numa pessoa sozinha no fundo do poço, onde ela só vê luz a uma distância muito grande dela. E ela fica ali quieta, definhando. Quando o grito de socorro vem - e muitas vezes nem vem - é porque a coisa ficou muito insuportável e deu o sinal de que algo não vai bem. Porque quem tá deprimido não pede ajuda a não ser que reconheça seus problemas.


(a foto de mim tensa na Roda Gigante, porque eu posso amar montanha-russa mas morro de medo de altura e nem imagino um brinquedo de queda livre)

Quando me vi no fundo de um poço me martirizando por não ter carreira, por não ter um corpo ideal e uma casa maravilhosa eu percebi que eu estava deprimida por coisas que eu poderia melhorar. Eu sentia saudades da minha família mas eu estava no lugar onde sempre desejava estar. Pedi ajuda para sair desse estado, para aprender a olhar para as coisas boas e positivas que haviam na minha vida e em mim. Comecei a escrever esse blog. Passei a comprar roupas legais pro meu corpo maior. Passei a enxergar algumas coisas mais positivamente e isso fez uma diferença enorme. Recebi apoio. Tomei medicação. Procurei ocupações como forma de terapia. Apoio profissional e de repente o futuro parecia mais promissor sabe? Como se o cenário mudasse de um filme de terror para um lindo filme de aventura.

A verdade é que no momento em que percebi que podia ser forte e poderia pedir ajuda também percebi que poderia ir consertando algumas coisas que deixei quebradas pra trás. Renovar uma amizade, pedir perdão, retomar um projeto. Construir algumas coisas perdidas foi bem difícil, mas um passo importantíssimo para me tornar uma pessoa melhor.

A depressão é uma escada que sobe e desce. É um degrau de cada vez, seja pra luz, seja pro escuro. Ontem parei para pensar sobre o cansaço que venho sentindo, a tristeza que se apodera em momentos do dia, a vontade de dormir, o abandono do blog e de outras práticas saudáveis e percebi que talvez eu esteja descendo alguns degraus. Leitor, você não imagina o quão difícil é escrever sobre isso. Ás vezes me culpo por regredir, mas são coisas da vida que nos levam para momentos obscuros. Ontem, pensando nisso percebi que preciso mais uma vez ter força e coragem de subir os degraus, que sou incrível e não devo me permitir.

Se hoje eu amo o reflexo que vejo no espelho é porque na frente do mesmo eu chorei por ser gorda. Ali eu via reflexo do fracasso, de um diploma não aproveitado, de uma medíocre. Hoje eu vejo uma linda grande mulher (em todos os sentidos), não tenho vergonha do meu corpo, nem do meu trabalho, nem do meu blog, nem da minha família e da minha condição financeira. Eu sou saudável, perfeita, feliz e amada. Tenho amigos incríveis. Tudo para ser feliz.

Meu maior ato de coragem foi me aceitar sem se importar com fatores externos. Foi me segurar e reconhecer quando não estou bem. Meu ato de coragem se fortifica, um dia de cada vez.

XoXo,
Grazy

19 comentários

  1. Que intenso o seu relato, Grazy. E não digo isso por achar o assunto "pesado". Esse assunto está na minha vida á quase duas décadas (!!!) Digo isso porque eu entendo bem o que é descobrir essa coragem e sei que uma vez só não basta. Diariamente, precisamos de pequenos novos atos de coragem para não regredir. Precisamos de novos grandes atos de coragem para não jogar tudo pro alto e voltar para o pé da escada...
    Mas é assim mesmo. O que a vida quer da gente é coragem. Então vamos em frente!

    Yellow Ever Shine

    ResponderExcluir
  2. Sabe que também tenho depressão né? entendo bem e como, como você se sente.
    No meu caso, não tenho quem me ajude porque infelizmente minha familia é daquelas que acha que depressão é coisa de cabeça vazia sabe, por mais que eles falem que entendem eles nunca, jamais me ajudaram de verdade.
    Eu hoje falo abertamente sobre depressão porque eu vejo como as pessoas ainda não entendem de verdade como é essa doença e para muitos eu to só reclamando, sendo negativa é apenas isso que elas vêem ...algumas ficam com pena e tentam ajudar dando dicas...eu dou risada nessas horas porque sério, as pessoas ainda acham que ajudar é dar dicas e não sabem que tudo que mais quero e preciso é simplesmente da amizade delas e só,mas elas só vêem alguem reclamando de tudo e da vida sem se mexer ou se ajudar e tenho certeza que muitas ainda acham que só fico de mimimi que não tomo atitude enfim,
    Você é muito corajosa sim, costumo sempre dizer que quem consegue melhorar, ficar bem e uma pessoa corajosa e maravilhosa, especial mesmo porque é muito dificil, muito mesmo, eu estou assim á mais de 16 anos e ainda acredito em mim sabe?
    Muito bom ler o seu post de verdade, foi perfeito.
    Beijo e abraço grandeeeeee

    ResponderExcluir
  3. Não consigo se quer imaginar o que é estar em quadro de depressão, mas fato é que reconhecer isso, decidir se dar uma chance, pedir ajuda, e querer reverter isso, é um ato de extrema coragem.
    Desejo que permaneça firme, Grazy, pois por mais que seja difícil, nós sempre valemos a pena.
    Beijão!

    ResponderExcluir
  4. Que post mais lindo, flooor! Consegui me emocionar. Esse sim é um grande ato de coragem, se aceitar, ser feliz e saber que nao precisa estar dentro dos padroes que nem sei pq existem.
    Parabéns por ser quem é, linda, alegre e amiga.
    Adoro vc

    ResponderExcluir
  5. Olá Grazy!
    Se tinha algo que me doía demais quando eu morava no Brasil era essa questão do padrão de beleza. Eu tive sempre (desde a infância) aquela gordura que insistia em não sair. Fui taxada milhares de vezes de gordinha, feia, bolota, etc, só por causa dos meus quilos a mais e cresci me achando a feia que ninguém poderia amar. Como me enganava...
    Foi saindo de lá e conhecendo pessoas com uma realidade totalmente diferente da minha, que me redescobri como mulher. Vi que meus gostos eram meus e que eu não precisaria me adaptar a algo, somente ser fiel a mim mesma.
    Entendo demais tudo o que você descreveu e sei o quanto que é difícil se soltar disso tudo. Tem dias difíceis, tem. Tem dias que dá vontade de dizer foda-se pra meio mundo? Tem. Mas são esses momentos que nos servem de alavanca para melhorar. Sinto um orgulho imensurável de ti! Continue te amando com todas as forças, dia-a-dia. O mundo só agradece...
    Te desejo toda a paz e coisas boas!
    You go, girl!
    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Bruna, sei comentário aqueceu meu coração. ♥♥

      Excluir
  6. Esse degrau da depressão é realmente persistente, há momentos em que estamos levinhos, e outros em que nos sentimos tão presos que fica impossível respirar. O mais importante, entretanto, é sempre nos lembrarmos que somos capazes de continuar, sempre vai haver algo bom para nos ancorar, e mesmo que não pareça haver, a vida é uma grande descoberta, nem sempre o melhor para nós estará na embaixo do nosso nariz e a jornada para alcança-lo pode ser uma grande e instigante aventura que nos pede para "ficar" a cada momento.

    ResponderExcluir
  7. Não cheguei a ter depressão propriamente dita, mas sou bastante ansiosa e após concluir a faculdade passei um ano e oito meses desempregada (graduei-me no comecinho da crise, lá em dez/2013). Foi uma época horrível para mim, uma época de frustração gigantesca, pois tinha me graduado como melhor da turma, tinha estudado horrores a vida inteira e sequer apareciam processos seletivos. Então assim, entendo bem a sua frustração nesse aspecto. Quando enfim consegui um emprego, esse sentimento foi embora imediatamente...

    Por outro lado, sempre me sacanearam muito por eu ser a famosa "magra de ruim". No trabalho, inclusive, há quem se sinta mal de almoçar comigo porque eu como de tudo e em quantidade grande para uma magrela. Mas não ligo, como o que eu gosto e me faz feliz e não ligo de ter um par de cambitos. Para mim, nosso peso só deve preocupar quando decorre de algum problema de saúde ou está causando algum, então, não sendo o caso, sejamos felizes com a estrutura que nos é própria.

    E reconhecer quando não estamos bem é uma das coisas mais importantes da vida e, talvez, o passo mais relevante para melhorarmos :)

    Feliz por você, Grazy! Continue assim!!

    Beijo enorme e excelente feriado!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. PS: E que ato de coragem enfrentar coordenador comunista para falar de moda e consumo. Orgulho define meu sentimento por seu comentário lá no blog! <3

      Excluir
    2. Então Thaís, se hoje sou gorda também sofri na adolescência por ser "magra de ruim". Torço por um mundo onde nào exista um certo e que tudo seja normal e aceitável!


      O prof comunista agora não passa de uma vaga lembrança. Grazadeus!
      Um beijo. ♥♥

      Excluir
  8. Que linda, amei o que escreveu porque você passou muita força, me vi um pouco no seu texto. Parabéns <3
    charme-se.com

    ResponderExcluir
  9. Grazy que texto forte mulher,sei que temos tantos pequenos problemas e que de repente vai virando uma bola,devemos sempre viver um dia de cada vez e sabemos que um dia tudo passa,tudo passará,é só mas uma fase chata da vida.Muito sucesso pra você e muito axé. :D

    ResponderExcluir