O Batom Vermelho

Quando você passa por alguém que está usando um batom vermelho o que você pensa? Eu, como uma assídua usuária de batom vermelho, vejo nos lábios pintados uma pessoa poderosa e que ama a si mesma. Diferente de muitos pensamentos, quem se pinta arruma-se para si e não para os outros. Quem o vê como bonito, feio, escandaloso, o vê para si. Quando pinto meus lábios, de vermelho, ou roxo, ou vinho, me sinto bonita! Não ligo se meus lábios ficam maiores ou chamativos, são meus. O que me incomoda de verdade é deixar marcas em copos e xícaras ou perceber que o lanche que comi está pintado ou manchar o queixo de batom quando estou comendo... Mas, por trás do ato de pintar os lábios têm muita, muita história.

Na antiguidade as mulheres gregas usavam uma raiz vermelha chamada "polderos" misturada à cera do mel para realçar a cor dos seus lábios. Já no Egito, as mulheres mais ricas usavam uma tinta fabricada na Fenícia e ela se chamava "púrpura de Tyr", era uma pigmentação rara e bem cara. No século XVI, na Inglaterra, a moda era ter a pele mais branca o possível com lábios bem vermelhos contrastando com a palidez. Nessa época ainda se usava a cera de abelha como base e para dar cor se usavam tintas vegetais, ou seja, pigmentos tirados de plantas, árvores, frutos e raízes.

A primeira versão do batom que conhecemos foi criada na França, no início do século XX, e seu nome era "baton serviteur", ou bastão servidor. Ele era feito de massa de talco, óleo de amêndoas, essências de limão e bergamota e existia apenas na cor vermelha. Não vinha numa embalagem, mas enrolada em papel de seda. Essa invenção, no início, foi muito popular entre as atrizes e prostitutas parisienses, que queriam realçar a sua beleza. As mulheres dessa época eram muito recatadas e aderiram à moda somente após a Primeira Guerra Mundial, quebrando preconceitos e paradigmas.

1898 Bourjois - Para profissionais do teatro

A embalagem se modernizou nos EUA em 1915, que criou um modelo do "baton serviteur" que vinha em um tubo metálico. Essa invenção foi amplamente divulgada nas revistas Vogue que dizia que toda mulher elegante dos anos 20 deveriam ter seus próprios tubinhos. Para ter acesso à bala do batom as mulheres tinham que deslizar uma "alavanca" que projetava a bala para cima.

Olha o tubinho aí. Esse também Bourjois.

A embalagem giratória foi patenteada no fim da década de 20. A fórmula do batom como conhecemos hoje é quase a mesma desde os anos 30. Basicamente são fabricados as "balas" de uma base gordurosa pigmentada com tinta de alta absorção que deveria colorir os lábios com facilidade. No século XXI os batons não são só sinônimo de beleza, além de colorir eles hidratam e protegem a pele dos lábios. Hoje temos à nossa disposição milhares de cores e uma centena de marcas, cada dia mais modernas e inovadoras, à disposição dos nossos lábios.

1941
Devemos pensar no batom como fator de mudanças sociais no comportamento feminino do século XX. Comportamento este que ainda está em evolução. Assim como o sair de casa para trabalhar nos períodos de guerra, a possibilidade do divórcio, o uso do método anticoncepcional, a troca das saias para as calças... Mudanças significativas onde cada um dos efeitos é uma peça no quebra-cabeça da nossa liberdade.

1955
Desmistificar, reconstruir. Usar um batom vermelho pode ser simples para alguns, mas significativo para a mulher que, em algumas culturas, só deve se maquiar depois de casada. Por isso, convido você a juntar-se a nós no Red Lips Day. O projeto foi criado pela Rê Vitrola e está na sua sexta edição. Para participar é muito simples: no dia 17/06 você posta uma foto sua usando um lindo batão vremeio nas redes sociais incluindo a hashtag #redlipsday2016! Além de mostrar que você é poderosa você participa de sorteios de um monte de coisa linda!


Mostre que você pode! #poemaisvermelho

XoXo,
Grazy

Crédito para imagens e um texto incrível sobre batons (em inglês) aqui na Cosmetic e Skin. Tem a história de muitos cosméticos por lá!

8 comentários

  1. Grazy, eu AMEI ESSE POST!
    Com certeza vou passar o RedLipsDay pra frente!
    Beijos♥

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que gostou Verinha! Adoro quando as pesquisas históricas recebem um feedback positivo! Beijão ♥♥

      Excluir
  2. BATOM É UMA DAS MELHORES COISAS QUE O SEU HUMANO CRIOU (isso depois do Netflix)! Eu AMO batom vermelho, rosa, roxo... Eu AMO cores fortes, escuras, claras, qualquer coisa que faça eu me sentir eu! Matte, ah, o matte, Deus abençoe a pessoa que criou o matte, que coisa linda, divina, maravilhosa. Eu não vivo sem um bom batom, seja lá só a manteiga de cacau pra manter os lábios hidratados, ou aquele roxo trevoso, batom é maravilhoso!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo em tudo Gabi. Além do vermelho meu preferido é roxo! Batom roxo é lindiooo demais ♥♥

      Excluir
  3. Que post maravilhoso!!! =D
    Adorei saber! Lendo me perguntei como eram feitos os das gueixas, me lembrei do filme memórias de uma gueixa e dela passando o vermelhinho.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Chell. Dei uma pesquisada, porque por incrível que pareça ainda não vi esse filme. Pelo que entendi ele se passa numa época entre guerras. Então ela usava um batom de fabricação bem parecida com o que usamos hoje! Na década de 30 ele era um bastão já, hehehe.
      Beijão.

      Excluir
  4. Eu quando vejo alguém de batom já fico reparando na cor, é o meu item de maquiagem favorito, haha. Peguei o costume de usar batom vermelho do ano passado pra cá, e agora não largo mais! Adorei as curiosidades aqui no post, e não fiquei sabendo do Red Lips Day a tempo :( Quem sabe no próximo?

    Beijos!
    Vestindo o Tédio

    ResponderExcluir